16/08/2017 às 16:22

Analistas afirmam que supermercados e veículos puxaram varejo em junho

Shutterstock

Depois da queda nas vendas do varejo em maio, economistas esperam um desempenho melhor do segmento restrito em junho, puxado pelas vendas de supermercados. No caso do varejo ampliado, a comercialização de veículos deve impulsionar o resultado.

A média das estimativas de 22 consultorias e instituições financeiras consultadas pelo Valor Data indica que o volume de vendas do varejo restrito deve subir 0,42% em junho, ante maio, feito o ajuste sazonal. O intervalo das estimativas vai de queda de 0,50% a alta de 1,10%. Para o varejo ampliado, que inclui veículos e materiais de construção, a alta, na média, é de 1,7%. Os dados serão divulgados hoje pelo IBGE.

O segmento de supermercados deve ter resultado positivo pelo terceiro mês seguido. "Vai ser o principal fator a puxar as vendas do restrito. O dado da Abras mostra que foi um mês positivo", afirma Natalia Cotarello, economista do banco ABC Brasil. De acordo com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), as vendas reais do mês aumentaram 0,6% sobre maio. Sobre o mesmo mês do ano passado, a alta foi de 2,71%. A entidade revisou a projeção de aumento nas vendas deste ano de 1,3% para 1,5%.

Quanto aos veículos, a Anfavea, entidade que representa os fabricantes, informou alta de 13,5% nas vendas de junho, ante o mesmo mês do ano passado. A entidade tem expectativa de um aumento de 4% nas vendas internas em 2017.

Natalia cita alguns fatores que podem ter ajudado as vendas de junho, como a queda da inflação, que beneficia especialmente os supermercados, o saque das contas inativas do FGTS e a inesperada queda da taxa de desemprego. "Embora o recuo tenha ocorrido pelo aumento do emprego informal, não deixa de ser um fator positivo. Era algo que estávamos esperando para acontecer apenas entre o último trimestre deste ano e o primeiro de 2018", afirma a economista.

Na outra ponta, o banco Haitong espera queda de 0,2% no varejo restrito em junho ante maio, feitos os ajustes sazonais, o que deve se traduzir em uma queda trimestral também de 0,2% do setor ante o primeiro trimestre.

Parte desse recuo, diz a instituição em relatório, tem a ver com as mudanças metodológicas introduzidas pelo IBGE no início deste ano, o que elevou as taxas do varejo nos primeiros meses de 2017. Para o ampliado, o Haitong estima alta de 1,5% em junho. Se o número for realizado, o setor deve subir 0,7% no segundo trimestre em relação ao primeiro.

"Esperamos que os próximos indicadores de atividade - varejo, serviços e IBC-Br - indiquem alguma desaceleração econômica no segundo trimestre deste ano, ante o primeiro, o que, se confirmado, vai reformar a natureza errática e gradual da economia brasileira no curto prazo", diz o banco.

Para o Fator, as vendas no varejo restrito devem aumentar 0,92% e, no ampliado, 0,38%. Na variação anual, o banco estima alta de 0,03% no restrito e 2,44% no ampliado. "Se assim for, as vendas no varejo terão crescido 3% na comparação do segundo trimestre de 2017 contra o segundo de 2016. Na variação contra o primeiro trimestre de 2017 terá havido alta de 0,5%, projeta.

Outra instituição a prever um varejo no azul em junho é o Bradesco. "Começamos a observar sinais iniciais de melhora da economia, especialmente no comércio. O indicador do varejo reforçará dinâmica positiva do consumo", afirma o banco em relatório. Indícios de recuperação do mercado de trabalho nos últimos meses, o efeito do saque do FGTS e condições mais favoráveis de crédito são fatores também citados pela instituição.

"Os resultados das pesquisas do comércio e de serviços referentes a junho serão importantes e devem acrescentar novos sinais desse movimento", diz o banco, que estima alta de 0,3% no varejo restrito sobre maio, feito o ajuste sazonal. Com isso, o indicador deve terminar o segundo trimestre com alta acumulada de 0,2% sobre o primeiro, sendo um dos v

Fonte: Abras

Problemas com a imagem

Sobre o Sindicato

Sindicato do Comércio de Gêneros Alimentícios do Estado do Tocantins

  • Endereço:
    Av. José de Brito Soares, 158 - Quadra 01 - Lote 07 - Setor Anhanguera
  • CEP: 77818-530
  • Processo: 421
  • Telefone(s):(63) 3412-3619
  • Email contato: sigealto@hotmail.com
  • Presidente:
    CÉSAR HANNA HALUM